“Sonho acordado”

“Sonho acordado”

ouvia em silêncio
tudo que fazia barulho
tentava decifra-los, um a um
de olhos abertos no escuro
imaginava alguns

fechando-os ou(via) mais
fazia do chão meu cais
a chuva que caia sobre e por eles
desaguavam em rios que podia nadar
em lágrimas pela tristeza dos seres
não mais me afogar

o barquinho de papel
que menino aprendi a dobrar
navegava ao léu
não mais avistando horizonte
apenas o céu
que se fazia estrelar

será que nesse mundo de dentro
possa viver mesmo um sujeito
com tanto sonho, amor e dor no peito
que não queira mais acordar?

ouço pássaros cantando que dá…

Gabriel Kieling

f: beatriz aurora