“Cinza”

“Cinza”

O quintal da cidade
Está sem cores
Florescendo dores
De concreto.
Nada concreto
Entre nós, atados.
Vejo mesmo poucas flores.
Antes em todas as esquinas
Hoje se perdem pelas vielas
Vi, elas.
Um dia desabrocharem do cinza
Cinza mais colorido que já vi.
Vi, ela.
Espremida
Mas aconchegante
Abraçando
Quem chega…
Chega!
Se não houver cor
Ai dentro
Cor, ação e lamento
Não serves para pisar
do lado esquerdo do peito
Das flores coloridas
Plantadas em nós, Cegos.

Gabriel Kieling

f: Gabriel Kieling